Quer saber tudo sobre a área design de interiores e ter sucesso na carreira profissional como designer de interiores? Então confira as dicas aqui!

O  que um designer de interiores faz?

O designer de interiores planeja e projeta espaços internos, tanto residenciais como comerciais, desde que não sejam feitas alterações estruturais. Em primeiro lugar, precisa levar em consideração as necessidades e desejos dos clientes. Depois, conciliar beleza e funcionalidade para proporcionar o bem estar dos usuários no espaço.

Como designer de interiores você estará apto para projetar um ambiente, escolher e combinar materiais e revestimentos, inclusive especificar como serão instalados, o que chamamos de paginação. Pode também desenhar o forro do espaço, distribuir luminárias, pontos elétricos e pontos hidráulicos. Além disso, pode ser que você desenhe mobiliários para os ambientes, por isso a compreensão da ergonomia é muito importante.

Um designer de interiores igualmente se preocupa com a beleza do espaço. Dessa maneira, também escolhe e combina cores, móveis, objetos de arte e decoração, tecidos, tapetes.

Além de projetar, você pode administrar a execução daquilo que planejou. Aqui é importante ter conhecimento das fases de uma obra, para conseguir gerenciar com eficiência o que será feito.

Onde posso atuar?

Normalmente atua como autônomo, empreendendo seu próprio negócio, o que é uma vantagem em diversos aspectos. Você pode conciliar a carga horária de trabalho como designer de interiores com outra ocupação por exemplo, ou até mesmo escolher quando e como quer trabalhar. Outra forma de atuação é em lojas de móveis planejados ou itens de decoração. Também é possível fazer parcerias com construtoras ou outras empresas do ramo.

O mercado de trabalho é bastante aberto para profissionais criativos, então procure oferecer algo diferente para as pessoas, descubra seu nicho! Com o que você pretende se destacar dentro do design de interiores?

A sustentabilidade, que está sendo levada muito a sério atualmente, não fica de fora do design de interiores, sendo uma opção de trabalho bastante interessante. Você pode propor reaproveitar ou reformar móveis por exemplo, e até apostar em projetos do tipo faça você mesmo. Essas soluções não apenas deixam o ambiente mais personalizado, como podem custar bem menos.

Na outra ponta, existe um mercado de design de luxo muito poderoso, que também pode ser uma opção com a qual você pode trabalhar.

Posso atuar como designer de interiores independente do meu nível de formação

Pode, mas vão tentar te convencer do contrário. Algumas pessoas erroneamente acreditam que para atuar como designer de interiores você precisa ter uma carteirinha que comprove  isso. Outras alegam que o trabalho depende de algum tipo de documento que ateste responsabilidade técnica. O fato é que para desenvolver qualquer trabalho, desde que este esteja dentro dos limites da profissão, não é necessário nenhum dos itens anteriores.

A responsabilidade técnica exigida para obras de engenharia e arquitetura não existe para o design de interiores, mas isso não te isenta da responsabilidade civil. Responsabilidade civil todos os cidadãos têm, que é zelar pela vida e segurança de terceiros.

Sobre a regulamentação da profissão designer de interiores

A profissão de designer de interiores foi regulamentada pela Lei 13.369, em dezembro de 2016. Nela estão descritas as competências e responsabilidades da profissão, e assegura o exercício independentemente do nível de formação (curso superior, técnico ou profissionalizante) ou instituição de ensino.

O exercício da profissão já era reconhecido pelo Ministério do Trabalho, na CBO 3751 e CBO 2629. Para o design de interiores não existe um conselho específico, como o CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) ou CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo).  Existe somente a ABD (Associação Brasileira de Designers de Interiores), que é uma associação, diferente de um conselho. No entanto, você pode atuar como designer de interiores sem a necessidade de se associar à ela ou a qualquer outra instituição.

Basicamente a diferença entre um conselho e uma associação é que os conselhos zelam pelo exercício da profissão. Eles, fiscalizam e regulam a atuação dos profissionais. No entanto, as associações têm mais a finalidade de promover o aprimoramento do conhecimento e a integração entre profissionais.

Associação:

  • Promove treinamento e aprimoramento.
  • Representa a profissão em eventos sociais e políticos.
  • Integra profissionais através de encontros e fóruns.
  • Contribui com a formação de profissionais aptos a exercerem suas tarefas.
  • Apoia e promove atividades a fim de posicionar profissionais no mercado de trabalho.

Conselho:

  • Orienta profissionais sobre o exercício da profissão.
  • Zela pela ética profissional em todas as áreas de atuação.
  • Regula os limites de atuação do profissional.
  • Registra, cadastra e atualiza os dados sobre os profissionais.
  • Fiscaliza a atuação do profissional, assegurando que os serviços sejam prestados por profissionais habilitados.
  • Divulga e discute temas relacionados à profissão.

Remuneração do designer de interiores

Das diversas maneiras de cobrar pelo projeto de interiores, a mais comum é cobrar por metro quadrado. Esse valor pode variar conforme a complexidade do projeto. Além disso, se você for administrar a execução do projeto pode cobrar um valor à parte somente para isso.

Você também pode estabelecer um valor para consultorias, que é quando alguém te pede ideias para um determinado espaço. Nesse caso, o envolvimento é menor, porque o trabalho a ser feito é mais simples.

Saiba mais sobre como e quanto cobrar por um projeto de interiores.

Como me manter atualizado

Com a internet temos acesso à muita informação, e de maneira extremamente rápida. Assim também acontece com os clientes, que chegam munidos de diversas ideias. É essencial estar preparados para isso.

Instagram e Pinterest são ótimas redes sociais para se manter atualizado nessa área. Além disso, existem diversas feiras e mostras de decoração interessantes.

A maioria das empresas e fabricantes do ramo lançam seus produtos nessas ocasiões, então procure sempre estar presente nesses eventos. Seja pra se inspirar com referências ou ficar por dentro do que está surgindo no mercado, acompanhar revistas nacionais e internacionais também é super importante. Esteja atento e acompanhe as tendências, leia bastante, seja curioso e observador.

Dentre as feiras e mostras nacionais, não deixe de visitar a Expo Revestir, Expolux, ABCasa Fair, ABIMAD, HIGH DESIGN EXPO e Casa Cor.

Como divulgar meu trabalho

Se divulgar nas redes sociais é uma tendência que segue forte, justamente pela facilidade de acesso. Mas lembre, é interessante criar um perfil profissional para isso. Vale mostrar o que você já fez e as etapas do seu trabalho, desde a criação até a execução, dessa maneira o futuro cliente pode ver o que você oferece e qual o seu diferencial perante outros profissionais.

Também é possível publicar projetos em revistas especializadas ou em jornais (alguns possuem cadernos específicos sobre decoração, design e arquitetura). Em geral as mídias impressas cobram por essa divulgação.

Procure sempre tirar boas fotos do seu trabalho, seja para publicar em redes sociais, sites ou revistas e jornais. Se possível contrate um profissional para isso, pois ele vai saber captar seu projeto como ninguém!

Existem ainda as mostras de decoração. Você pode alugar um espaço e criar conforme seu gosto – uma ótima opção para mostrar a sua identidade.

Como criar meu portfólio

O portfólio é um meio de mostrar sua identidade. Ele pode falar melhor sobre seu trabalho e sobre você do que um currículum.

Ele pode ser apresentado em formato PDF, trazendo alguns dos seus melhores trabalhos. Para que você possa mostrar quão versátil ou completo pode ser, procure mostrar as etapas que estiveram envolvidas nele. Conte também sobre a problemática e as soluções adotadas no projeto.

É importante criar um portfólio mesmo que você nunca tenha executado nenhum projeto, ou feito nada para alguém “real”. Até porque ele serve para mostrar suas capacidades e habilidades.

Um portfólio pode ter:

  • Projetos de ambientes residenciais criados durante o curso.
  • Projetos desenvolvidos em parceria com outras pessoas.
  • Projetos de interiores como freelancer.
  • Projetos para clientes fictícios, estudos, desenhos, 3Ds.
  • Projetos executados em locais que você já trabalhou.

Lembre de manter o portfólio sempre atualizado com os melhores projetos ou trabalhos. Além disso, a honestidade é primordial. Logo, publique somente aquilo que você mesmo produziu, e no caso de parcerias, deixe bem claro qual foi o seu envolvimento naquele trabalho.

Quando preciso de outros profissionais?

Como designer de interiores você não pode alterar um ambiente de maneira estrutural, ou seja, não pode derrubar ou alterar paredes que sustentem uma edificação, nem interferir em fachadas por exemplo. Existem outras alterações que podem ser consideradas estruturais, portanto é fundamental ter conhecimento técnico dessas situações, para além de saber como proceder, ter consciência de quando precisa da colaboração de outras pessoas.

Dependendo do tipo de reforma, você precisará de um engenheiro ou arquiteto, que ficará responsável por essa alteração estrutural. Ele vai avaliar a viabilidade e emitir um documento chamado RRT ou ART, que é um registro (ou anotação) de responsabilidade técnica para determinadas situações. Atualmente, a maioria dos edifícios pede RRT ou ART para reformas de qualquer tipo, então você precisará desses profissionais para isso.

Outras ocasiões em que você pode precisar de profissionais distintos é para ambientes com automação ou com sistemas de som, pois é preciso um projeto específico que não cabe ao designer de interiores.

Qual a diferença entre designer de interiores e decorador(a)?

Embora muitas pessoas afirmem ser nomes diferentes para a mesma profissão, o trabalho de um decorador se restringe a planejar soluções para os espaços interiores. Ele escolhe e especifica móveis, objetos decorativos, equipamentos, cores, materiais e revestimentos, porém sem interferir fisicamente na edificação.

Já um designer de interiores faz tudo isso e vai mais a fundo no projeto, tendo capacidade técnica para encontrar soluções que aliam estética, ergonomia, conforto e segurança, conforme a necessidade do cliente e público alvo.

Você pode propor alterações físicas (desde que não resultem em alterações estruturais) como troca de revestimentos, forro de gesso ou outros materiais, definição de pontos elétricos, de rede e luminárias, alterações de pontos hidrossanitários.

O projeto produzido por um designer de interiores passa por diversas fases:

  • Inicia na pesquisa do briefing com os clientes.
  • Entendimento do espaço construído.
  • Anteprojeto.
  • Projeto.
  • Projeto executivo de mobiliário e do ambiente.

Como o design de interiores complementa a arquitetura

Assim como decoração e design de interiores são duas áreas um pouco distintas, o mesmo acontece com a arquitetura. No Brasil, por exemplo, temos a cultura que o ofício do design de interiores é função do arquiteto. Porém, nos cursos de arquitetura e urbanismo raramente se vê na grade curricular disciplinas que tratem dos ambientes internos, com a complexidade exigida no design.

Mesmo que a compreensão da metodologia do projeto facilite o trabalho, existem noções que só o design de interiores pode fornecer. Ou seja, a busca pelo aperfeiçoamento na área complementa e muito a profissão.

Quero iniciar como designer de interiores. Qual o primeiro passo?

Primeiramente, não tenha medo de errar. É normal se sentir inseguro logo após terminar os estudos. Mas a insegurança passa conforme você vai trabalhando no dia a dia.

Na 4ED o foco das aulas é na prática. Como resultado disso, você com certeza vai se sentir mais à vontade para projetar desde o início.

 

Saiba mais sobre o curso de formação em design de interiores.

 

Uma boa ideia é começar fazendo projetos para familiares e conhecidos. Dessa forma, além de aumentar seu portfólio você adquire experiência com projetos. Leve a sério até mesmo os projetos mais simples, porque você pode montar uma rede de futuros clientes, através de indicações.

Num primeiro momento pode ser que você “tope tudo por dinheiro”. Mas fique tranquilo, com o passar do tempo você pode se especializar naquilo que mais gosta de fazer.

Você ainda pode fazer parcerias com colegas de profissão ou de outras áreas, para dividir responsabilidades do projeto.

Empreender: por onde começo e quanto preciso investir?

O cenário atual aponta para espaços de trabalho diferentes. O crescimento dos coworkings e espaços coletivos é uma realidade. Seja por questões de custos, seja pelas trocas que esses ambientes oferecem. Cada vez mais pessoas têm buscado esses espaços como alternativa.

Quanto às reuniões com os clientes, pode ser que sejam feitas na própria casa deles. Outra alternativa são salas de reuniões disponíveis para aluguel por hora, ou até mesmo cafés que disponibilizam espaços mais reservados para isso.

Trabalhar em casa, num espaço de home office também é uma tendência. Você evita custos fixos altos num primeiro momento, e pode investir em itens mais importantes, como um bom computador, licenças de softwares e até uma trena a laser, por exemplo.

É bom também investir em marketing pessoal, ou seja, trabalhar sua própria divulgação. Reserve uma verba para contratar alguém para tirar fotos dos projetos que você já executou e também para participar de mostras.

Não tenho conhecimento na área, posso fazer o curso design de interiores?

Não só pode como deve! O curso de design de interiores da 4ED é estruturado de modo a ir construindo seu conhecimento aula a aula.  Você começa tendo aulas que vão te dar a base sobre design, depois aprende a interpretar projetos, a desenhar tanto à mão quanto em softwares, e a compor suas ideias.

Cada módulo agrada a quem não tem nenhuma experiência, mas também aqueles que já trabalham como designers ou arquitetos, e até mesmo estudantes das duas áreas.  Por ser focado na prática, nosso curso te prepara para sair trabalhando. Nada do que você vai aprender é inútil na sua carreira. Além disso, todos os exercícios desenvolvidos em aula podem ser usados para adicionar ao seu portfólio!